Publicado em Deixe um comentário

Messi ou Cristiano?, um computador decide quem é melhor

estes dias sem Futebol deram para muito, incluindo o debate de quem foi o melhor jogador da história e, como não voltou a sair à tona a já prolongada comparação entre os dois jogadores que dominaram nos últimos 12 anos.

Lionel Messi e Cristiano Ronaldo conseguiram o que nenhum jogador conseguiu, estando no topo por tanto tempo conseguindo 11 das 12 bolas de Ouro concedidas. Messi tenha alguma vantagem sobre Cristiano com seis, por cinco o português, mais um Luka Modric, que sem dúvida se esgueirou nesta festa.

mas nem isso conseguiu inclinar a balança a favor do argentino, pois os que defendem Cristiano argumentam que CR7 é mais decisivo e que Messi se enruga na hora da verdade. O certo é que os torcedores do Barcelona e da Argentina puxam para Leo, enquanto os do Real Madrid e alguns de Portugal puxam para Ronaldo.

Click to resize

e como o debate não termina, um computador quis acabar com o assunto. Acontece que os professores da Universidade belga KU Leuven, uma das 15 Melhores da Europa, e os especialistas em dados da SciSports criaram uma fórmula para decidir quem era o melhor, levando em consideração mais do que gols e assistências.

“nosso modelo analisa cada ação (chutes, passes, dribles, recuperações) e calcula seu valor”, disse o professor Jesse Davis. “Um gol é um evento raro, porque estima-se que uma média de 1.600 ações ocorram em uma partida”.

foram introduzidos dados desde o início da temporada 2013-2014 até a 2017-2018, quando Cristiano terminou com o Madrid e o computador decidiu que Messi era melhor com pontuação de 1,21 por jogo por 0,61 de Ronaldo, o dobro, ainda inferior ao de Eden Hazard (0,64) a nova contratação do clube blanco.

de modo que nem o computador termina com isso, já que a fórmula foi criada por humanos, que precisamente não são especialistas em futebol, introduzindo as variáveis que eles entenderam, com o valor que eles entenderam.

há gols e gols, como há títulos e títulos, a importância de cada um é vital, como importante é a incidência do Jogador no jogo da equipe e, a longo prazo, no resultado.

Cristiano é um jogador mais completo, bate com duas pernas, finaliza bem de cabeça, controla bem a bola, tem bom drible e é mais atlético, com maior velocidade, força e poder de salto.

mas Messi não fica para trás em velocidade e força, além de ter magia na mão esquerda. Sua condução com a bola presa a pé, sua diabólica mudança de ritmo e sua maior visão de jogo o tornam superior tecnicamente.

Ver Messi é um espetáculo, é futebol em seu estado mais puro, é ver David derrotando o Golias de plantão. Leo faz quase tudo certo e, acima de tudo, tem um drible indecifrável para os zagueiros e o adversário treme toda vez que pega a bola.

no entanto, o argentino é recriminado que às vezes saia do jogo como nos jogos de volta contra Liverpool e Roma na Liga Dos Campeões, assim como na Copa Do Mundo e Copa América com a Argentina, onde eles têm muito claro que Diego Maradona foi o melhor.

na verdade Maradona era superior, era como Messi, mas com a garra de Cristiano. Diego era meio time, não havia como pará-lo e isso lhe dava seis vezes mais. Jogava mais atrasado que Messi, era um meio-campista com muita chegada e muito gol, embora menos que Leo.

pena que sua carreira foi interrompida por lesões e más decisões. Diego ganhou um Mundial (1986) e não levou a bola de ouro porque em seu tempo, já que o reconhecimento era apenas para Jogadores com nacionalidade europeia.

em 1997, o brasileiro Ronaldo Nazario, outro que pode ser considerado entre os melhores do mundo, foi o primeiro sul-americano a ganhar o prêmio, abrindo assim as portas a Messi.

aparentemente nada, nem ninguém pode fechar o debate entre Messi e Cristiano, nem as bolas de ouro, que são votações individuais subjetivas, nem os computadores com variáveis imprecisas, nem os títulos, que são da equipe.

e é que, embora gostemos de debater, este problema não tem solução, já que o futebol é um esporte coletivo e o importante não é tanto a atuação individual, mas fazer o necessário para que sua equipe ganhe e consiga o título, e não qualquer um, mas aqueles que realmente importam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.